O tempo de Deus! O Deus sem pressa! (1a. Semana)

Publicado 5/fevereiro/2020 por admin em blog

Por Luciane Stahlhoefer

Novo ano, vida nova. O que você planejou para este ano? Qual seu plano para o seu tempo? Metas para preencher os seus 366 dias com sucesso! Sim este ano você irá ganha mais 24h. 

Você assim como eu iniciou este ano planejando o seu tempo de férias. Que incluiu este retiro. Você certamente pensou que seria uma tempo bem investido os dias passados aqui. 

Férias vamos lá!

Quem aqui já não passou pela experiência de sair de férias e ter um congestionamento no seu caminho, na verdade nem sempre vc consegue saber o motivo dele. Quando se tem crianças no carro e elas começam a ficar entediadas tudo parece piorar. 

Acabou a água, alguém precisa ir ao banheiro, ou então é verão! Quanto mais esperamos mais nos irritamos, ai começamos a tentar encontrar uma forma de sair dali. Existem pessoas que buzinam num engarrafamento, o que não adianta para nada. Muitas vezes diante de momentos de espera não falamos nada, mas se nossos sentimentos aparecessem tbm estariam buzinando. 

Agimos como donos do tempo, queremos ter controle dele.

Os agricultores sabem bem que não tem como sermos donos do tempo. Chuvas, vento, sol, granizo, etc. 

A vida é feita de muitas experiências e emoções diferentes. Eclesiastes 3 explica que há momentos de alegria e de tristeza, de surpresa e de desilusão, de sucesso e de fracasso… As coisas mudam, passam, transformam-se. Nenhuma situação dura para sempre. 

O Autor de Eclesiastes sabia bem este ritmo do tempo em nossas vidas. 

Eclesiastes 3:1-8

Há um tempo correto para cada experiência. Por exemplo, um bebê recém-nascido tem de crescer um pouco antes de poder comer comida sólida. Da mesma forma, há uma ocasião certa para cada fase da vida.

Muitas vezes queremos tudo na hora, sem esperar pelo tempo certo. Isso não é bom. Construir a casa na areia é mais rápido que construir na rocha mas a base não é sólida. 

Mas em nossas vidas modernas o tempo é algo que tentamos gerenciar e que muitas vezes nos deixa angustiados, ansiosos e rancorosos. 

Computadores lentos nos deixam irritados. Celulares com bateria ao fim nos deixam ansiosos.  Pessoas lentas nos deixam rancorosos. 

Se soubéssemos quando seria o ultimo dia de nossas vidas, nós entenderíamos que o tempo não está no nosso controle. (viveríamos com mais qualidade as horas que nos restam).

Sim, pois o dia de amanhã não está em nossas mãos, mas agimos como se ele nos pertencesse. (podemos planejar) E isso nos traz ansiedade e angustia. 

E para o nosso bem, diante dessa vida frenética, Deus nos presenteia com algo muito especial e que faz bem ao nosso corpo, mente e alma. Esse presente se chama Espera

Através de momentos como estes, engarrafamentos no transito, filas em consultórios e supermercados, encomendas que não chegam (Ilustrar falado da caixa do correio).

Sim, nessas coisas mais corriqueiras e ordinários Deus nos molda ao seu Tempo e nos ensina a esperar. 

Nestes momentos, brincamos com os dedos, lemos algo, olhamos o celular, bocejamos, tudo isso mostra nossa inquietação interior diante da frustração.

Esperar pela mudança na vida de um cônjuge, por um filho que se foi, ou pelos filhos que não conseguimos ter. Todas essas esperas requerem algo que se chama paciência. O rei Davi descreve algo bem interessante sobre esse tempo da espera no salmo 40 .1-4 vemos relatado. 

Os que esperam encontram segurança pois entende que o tempo pertence a Deus e são revigorados na comunhão com Ele. O tempo da espera nos aproxima de Deus.  Depois conseguimos olhar para traz e e louva-lo pela perfeição da sua obra (v.3).

Mas o que fazer quando parece que ele não atende os desejos do nosso coração? Ele é capaz de nos ensinar a ama-lo e louvá-lo enquanto aguardamos. Esperar em Deus nunca é perda de tempo!

O que fica claro é que não controlamos o tempo. Todos os dias esperamos por cura, ajuda, por resgate, redenção e como todos pela morte e pela gloria. 

Os cristãos são um povo que esperam. Ao olharmos a história vemos a maior espera delas, O MESSIAS. Ainda esperamos. Já e ainda não. A consumação da obra. 

Mas nas nossas vidas diárias desenvolvemos hábitos de impaciência, de acelerar, de tentar fazer o maior numero de coisas em 24h. 

Como ser alguém que vigia e espera o tempo vindouro se eu mal posso esperar o café passar na cafeteira? 

A paciência, a mansidão como lemos nas escrituras é um fruto do Espirito, através dela suportamos o insuportável (pois nos parece muitas vezes ao passar pela espera que elá é pesada demais), não para que sejamos conhecidos como heróis, mas para que a gloria e majestade de Deus seja revelada.  

Durante a espera ficamos na expectativa como se fossemos ganhar um presente, mas a espera é o presente.  A espera é ativa e cheia de propósitos (Dar o exemplo da terra que espera pela plantação). Por ela ser ativa não podemos ignorar o mundo que vivemos, a injustiça e as trevas ao nosso redor. Somos chamados a neste tempo de espera a fazer diferença neste mundo. Sendo inquietos diante do presente  faz sentido a oração : Venha o teu reino! Não nos conformemos com este século e com os “luxos”

que aqui temos.  

Muitas vezes ao olharmos essas injustiças e desigualdades nos iramos. É possível irar sem pecar? Paulo escreve em Ef 4.26ss (ira-vos mas não pequeis, não se ponha o sol sobre a ira (perdão). 

É possível irar-se e não pecar. Contudo, devido à natureza humana pecaminosa, é muito mais fácil irar e pecar. Então vamos entender um pouco sobre a ira. O termo “ira” denota um sentimento de inconformidade, indignação por alguma injustiça ou coisa semelhante. Essa ira não é pecaminosa, pois a atitude seguinte é a de tentar fazer justiça, acertar as contas, no sentido de buscar um entendimento, um acordo ou uma reconciliação, mas de forma cristã, com base no amor. Isso envolve diálogo, brandura, perdão, etc. Quando o termo “ira” se relaciona mais com o sentimento de raiva, ódio, que também pode ser oriundo de uma injustiça, ou desentendimento, e tem por consequência uma atitude hostil que busca fazer justiça com as “próprias mãos” (algum tipo de vingança), esse tipo de reação caracteriza-se como uma reação pecaminosa. 

Quando somos crianças vivemos como se o tempo fosse eterno e fazemos tudo com lentidão, o que por vezes irritou aos nossas pais e hoje nos irrita como pais. Quando chegamos a fase adulta parece que vivemos freneticamente diante de um tempo que irá acabar. 

O tempo! Ah o tempo!  Parece que ele é um produto, uma invenção feita para vender algo (dia dos pais, mães, crianças, volta as aulas, feriados nacionais, saldões de Black Friday, etc). Assim vivemos de festa em festas, sempre esperando as correrias para as próximas comemorações. 

Existe algo bem especial que quero apresentar para vocês, talvez vcs já o conheçam. O tempo de Deus! Podemos observa-lo no calendário litúrgico. Ele vai muito além das datas de Natal e Páscoa. Ele nos mostra o tempo de Deus dentro da história e nos faz enxergar e viver em outro ritmo do que o mundo. (mostrar uma planilha do calendário litúrgico).  

Descobrir este calendário litúrgico, vez com que a autora descobrisse um tempo que não está ligado a uma estratégia de marketing para vender algo. Assim ela percebeu que o tempo pode ser sagrado. Sim, o tempo planejado e construído por Deus na história é sagrado. 

Advento, Natal e epifania, nos mostram a história do povo de Deus que anseia por um messias.  Quaresma, Pascoa e pentecostes, História da tentação, o viver num mundo de pecado, seu sofrimento e morte, ressureição, ascensão, e a historia do inicio da igreja. 

Ao olharmos este tempo de Deus, vemos que não há celebração sem preparação. Primeiro esperamos, sofremos, choramos, lamentamos, nos arrependemos. (pascoa – quaresma, Natal – advento). 

Deus nos mostra que no esperar ele nos molda, nos faz reconhecer nossos erros e nos concede o perdão. E então celebramos aqui (a salvação, as bençaos, o cuidado) e tbm celebraremos no tempo vindouro (vida eterna). 

Somos impacientes, queremos felicidade e realizações agora, fico muito irritada com atrasos pois vejo que o tempo não anda no meu ritmo. Então imaginamos que se conseguirmos estar a frente da correria, estaremos em segurança. Para isso buscamos meditações, livros, coach (citar a pulseira do meu irmão), etc.  Novamente tentamos por nós mesmos provar que somos bons administradores do tempo e não precisamos de Deus para isso. E que estamos seguros quando sabemos gestar bem o nosso tempo. 

Mas precisamos ver o tempo como um presente de Deus, ele não é uma mercadoria. Ele não gira em torno de mim, mas sim do que Deus fez, está fazendo e do que ele fará. Esperar e ter esperança é um ato de fé. E Cristo deve ser o cerne do nosso tempo. Quando olhamos para ele e sua obra, substituímos o desespero do passar do tempo, pela alegria da sua volta (Se vivemos por ele, morreremos por ele). 

            No final do ano que passou eu pude experimentar isso. Em vez de me colocar dentro da correria e desespero de final de ano, Deus me mostrou através do tempo de advento a contemplar a espera. (o calendário litúrgico) Você sabia que o primeiro dia do calendário litúrgico é o primeiro domingo de advento. Sim! O calendário começa com a espera, a mais linda e misericordiosa espera. 

Vamos fazer aqui uma pratica (devocional, crescimento, santificação, tempo de Deus). Vocês sabem que tempo se iniciou ontem? A epifania!

Em termos de seu significado mais profundo no ano da igreja, a temporada da Epifania tem grande importância e drama. Durante a Epifania, celebramos que aquele que nasceu em Belém é uma Luz para todas as nações (representadas pelos magos), e exploramos o ministério de Jesus entre a manjedoura e a cruz.

A palavra “epifania” vem de uma palavra grega que significa “manifestação” ou “aparecimento”. No contexto da história da igreja, esta palavra tornou-se estreitamente associada à revelação de Cristo em conexão com a visita dos Magos. A adoração dos Magos é um sinal de que a luz de Cristo veio para o mundo inteiro, mesmo para os gentios mais distante do alcance do mundo conhecido. Através do batismo de Jesus, o amor de Deus é demonstrado e revelado como um relacionamento trinitário.

A estação da Epifania coloca especial ênfase no ministério de ensino e de cura de Cristo.

Quantas coisas maravilhosas Deus pode nos ensinar no nosso dia a dia através dessa época da epifania (jesus realmente é o messias, seu ministério). 

Agora como viver esse tempo na minha vida hoje? No tempo da epifania, da manifestação de Cristo. Ele se manisfesta as pessoas através da nossa vida. 

            Portanto queridas, o tempo de Deus é perfeito, bom e agradável. Minha oração é que o Espírito Santo nos faça ver o tempo de Deus na história para que possamos a cada dia, nas coisas mais ordinárias, como ficar presa no transito, esperar na fila do banco ou de um consultório medico, sermos ensinados que a espera é ativa e que ela é um presente de Deus. 

Amém!

Sem comentários ainda em “O tempo de Deus! O Deus sem pressa! (1a. Semana)”

Comentários não são permitidos nesta postagem